sábado, maio 24, 2008

LUA ADVERSA (by Cecília Meirelles)



Tenho fases, como a lua.
Fases de andar escondida, fases de vir para a rua...
Perdição da minha vida! Perdição da vida minha!

Tenho fases de ser tua,tenho outras de ser sozinha.
Fases que vão e que vêm,
No secreto calendário que um astrólogo arbitrário inventou para meu uso.
E roda a melancolia seu interminável fuso!


Não me encontro com ninguém (tenho fases, como a lua...)
No dia de alguém ser meu, não é dia de eu ser sua...
E, quando chega esse dia, o outro desapareceu...

segunda-feira, maio 19, 2008

OPORTUNIDADE (by Rê Michelotti)


Nossas vidas são feitas de encontros e desencontros... amores e desamores...alegrias e dores...sonhos e realidade... coisas que nos fazem querer viver ou morrer.

E muitos podem nos querer ensinar através de suas próprias vivências, mas nunca será da mesma forma, pois as experiências são únicas e de certa forma intransferíveis.

No entanto podemos abrir nosso coração, nossa mente, e ao menos pensarmos no que chega até nós. Vamos assim, construindo nossos próprios pensamentos, a partir do que vemos de nossa janela, de uma forma que apenas nós o podemos fazer.

Como bem disse Hermann Hesse, neste pensamento que considero perfeito para esta reflexão: "Nada lhe posso dar que já não existam em você mesmo. Não posso abrir-lhe outro mundo de imagens, além daquele que há em sua própria alma. Nada lhe posso dar a não ser a oportunidade, o impulso, a chave. Eu o ajudarei a tornar visível o seu próprio mundo, e isso é tudo."

Podemos então ajudar ou sermos ajudados a ver um mundo próprio...mas nunca alguém poderá decifrá-lo para nós...apenas o impulso a oportunidade para tal...se assim desejarmos.

domingo, maio 18, 2008

DEBAIXO DO SOL, MORRENDO DE FRIO (by Paulinho Moska)


Estou debaixo do sol, morrendo de frio
Procurando qualquer coisa no bolso, mas está vazio
Andando pra nenhum lugar, falando sozinho
Coitado do meu coração
Que se partiu em pedaços em vão
Não me lembro do instante exato, mas sei que caí
No seu abismo de braços e nem percebi
Só consigo recordar a perda de foco
E ausência de luz
Quando acordei já estava na cruz
Vou apagar as pegadas atrás de mim quando sair.
Jogar a chave da casa no fundo do mar
Não quero ter a impressão de que já passei... já passei por aqui
Nem quero estar no lugar que você me procurar.

CONFLITOS (by Rê Michelotti)


Tenho andado confusa...
Como se fosse uma intrusa de minha própria vida.
E percebo tentativas desesperadas de outros a querer decifrar-me.
Pessoas estranhas que se fazem ítimas, mesmo quando não o são.
Noites claras e curtas, são perseguidas por dias cinzas e longos.
Redemoinhos de emoções: amor, ódio e reconciliações constantes. Incensatez!
Uma busca constante, por coisas que nem sempre parecem fazer sentido.
No entanto a busca continua, numa tentativa de encontrar por isso ou aquilo.
Por estas ou aquelas razões permanecemos nesta perseguição, nesta busca.
E o dia em que não mais houverem razões para tal...
Nós aqui não precisaremos estar mais... porque neste dia deixamos de existir!!!!

quarta-feira, maio 14, 2008

SÚPLICA (autor desconhecido)



"Mais tarde amor, quando eu me conseguir respeitar. Quando deixar de depender do amor dos outros, para ser feliz. Quando me libertar de mim mesma. Mais tarde quando os meus sentimentos confusos e inconstantes, ficarem organizados e bem arrumados. Mais tarde..."