quarta-feira, setembro 24, 2008

REFLEXÃO DO DIA (by Anthony Robbins)


"O sucesso vem da tomada de iniciativa e determinação, persistindo, eloquentemente expressando a profundidade do seu amor. Qual ação simples você poderia fazer hoje para produzir um novo impulso em direção ao sucesso em sua vida?"

Todo dia deveriamos nos perguntar isso: Qual ação simples eu posso fazer hoje para pruduzir um novo impulso em direção ao sucesso em minha vida?

Estou precisando experimentar isso... se não posso dar grandes saltos hoje, mas for dando um passo após o outro...esses passos me levarão a algum lugar...Ficar parada reclamando não ajuda!!!

É preciso sair da inércia que parece não ter fim...

terça-feira, setembro 23, 2008

PRIMAVERA (by Maurício Manieri)


Quando o inverno chegar
Eu quero estar junto a ti
Pode o outono voltar
Que eu quero estar junto a ti
Eu quero estar junto a ti
Porque é primavera
Te amo
é primavera, te amo
meu amor
Trago essa rosa, para lhe dar
Trago essa rosa, para lhe dar
Trago essa rosa, para lhe dar meu amor, ieee
Quando o inverno chegar
eu quero estar junto a ti
pode o outono voltar que eu quero estar junto a ti
Porque é primavera
Te amo
é primavera, te amo
meu amor
Trago essa rosa, paralhe dar
trago essa rosa, para lhe dar
trago essa rosa, para lhe dar
meu amor, ieee
meu amor
Hoje o céu esta tão lindo, vai chuva
hoje o céu esta tão lindo, vai chuva
hoje o céu esta tão lindo, vai chuva
hoje o céu esta tão lindo, tão lindo
ieee tão lindo, tão lindo

REFLETINDO... (by George Horace Lorimer)


"É bom ter dinheiro e as coisas que o dinheiro pode comprar, mas é bom, também, verificar de vez em quando e se certificar que você não perdeu as coisas que o dinheiro não pode comprar."

segunda-feira, setembro 22, 2008

A PROBLEMÁTICA DE NOSSA ÉPOCA (by Simmel)



“Sentimos que o núcleo e o sentido da vida escapam sempre, a cada vez, das nossas mãos;
as satisfações definitivas realizam-se cada vez menos;
sentimos, enfim, que todo esforço e toda atividade, na verdade, não valem a pena.”

sábado, setembro 20, 2008

QUANTO VALE UMA AMIZADE? (by Rê Michelotti)

Imagem de meu arquivo pessoal

Ontem, como em quase toda a sexta-feira a noite, mais uma vez nos reunimos em família para assistir ao Globo Repórter, que trazia como tema a AMIZADE. Fazia tempo que não traziam este assunto como ponto principal de um programa, o que eu obviamente adorei.

Aí fiquei pensando sobre o tema em questão, no quanto uma amizade pode fazer a diferença em nossa vida; seja em bons momentos ou não.

Algumas pessoas conseguem lidar melhor com a solidão, mas outras nem tanto... eu faço parte desse último grupo. Preciso da companhia dos meus amigos como o ar que eu respiro. Sou movida pela companhia das pessoas, pela troca, pelo compartilhamento da minha própria vida.
Tem um pensamento que diz que nos contentamos em ter muitos amigos porque às vezes não temos "um bom amigo", pois se assim fosse, não teríamos a necessidade de ter tantos. Concordo que um bom amigo nos preenche, nos completa...mas a diversidade nas amizades também é importante. Cada pessoa tem um jeito de ver a vida e de se portar diante dos percalços que ela nos impõe. Assim, na diversidade das amizades, vamos aprendendo o melhor jeito de lidar com cada coisa, do melhor jeito que cada um de nossos amigos nos ensina.

Eu não estou descartando aqui a necessidade de termos UM grande amigo, aquele para o qual contamos absolutamente tudo; a pessoa que às vezes (ou sempre) sabe mais sobre a gente do que até nós mesmos. Isso é o que de mais pleno pode existir em uma amizade: o conhecer um ao outro, o entender antes mesmo que o outro nos peça.

Desta forma, penso que UM grande amigo é tão necessário quanto os outros tantos que vamos fazendo mundo afora, pois é a diversidade, é o diferente que sempre nos ensina, nos acrescenta. Até porque, tirando aquele amigo '"número um" (esse raro AMIGO Nº 1), que consegue ter todas as qualidades que desejamos, os demais sempre nos conquistam por uma característica em especial. Cada um dá sempre o melhor de si aos seus amigos, aos que nos cercam, aos que amamos... assim, nossos amigos e nós, na condição de amigos, conquistamos por uma característica nossa em especial.

Alguns amigos são para dar risada, contar piada, são aqueles que nos fazem rir, brincar, falar besteiras literalmente. E, convenhamos, mesmo as mais certinhas das pessoas precisam de momentos assim... do descompromisso, do riso, da alegria de estar falando "abobrinhas".

Alguns amigos são do tipo intelectuais, com eles gostamos de falar de nossos planos para o futuro, para eles pedimos opinião, auxílios e ensinamentos. É o amigo que sempre ajuda a sanar dúvidas que não alcançamos. Aí me vem à cabeça uma frase meio "batida", mas que parece se encaixar nessa situação: "Eu não sei sempre a resposta, mas tenho o telefone de quem sabe." (risos).

Alguns amigos são filósofos, com esses tecemos teorias, umas boas, outras puramente viagens de nossas cabeças... falamos da vida, do futuro, do ser humano e das dúvidas sobre a existência. São sempre conversas longas, mas ótimos momentos de reflexão sobre pensamentos e divagações sobre o mundo... e principalmente sobre nós: seres humanos sempre tão incompletos, sempre em busca de melhorararmos e evoluirmos como pessoas.

Poderia ainda descrever inúmeros outros amigos e suas peculiaridades, suas especialidades, mas cada um de nós, se pararmos para pensar, poderemos assim os enumerar em nosso círculo de amizades. E então, é ou não necessária essa diversidade nas amizades? Uma deliciosa diversidade que nos completa, complementa e preenche de forma especial e única de ser.

Estudos apontam que os solitários sofrem mais de problemas de saúde do que aqueles que convivem mais com outras pessoas, entre amigos. Quanto a isso, penso que não é regra, mas faz sentido, pois todos nós sabemos o quanto é bom termos alguém com quem dividir um problema, uma alegria do momento. Um amigo preenche isso com excelência, sempre pronto a nos ouvir. Se o motivo do desabafo não é tão bom, alivia nossa dor esse compartilhar... e se o motivo é bom, multiplicamos a alegria, pois nossos amigos de verdade sempre se alegram com nossas alegrias e conquistas.

No entanto, quanto à escolha de viver só, acredito que essa escolha não decreta o estar bem, ou o estar mal. Não se pode dizer que todos aqueles que escolhem uma vida mais reservada, mais solitária, serão acometidos de dores e doenças, pois algumas pessoas não sentem essa necessidade de compartilhar tudo, o tempo todo. De certa forma, algumas pessoas por si só se bastam, se preenchem. Confesso, sinto até mesmo uma pontinha de inveja disso (risos). Eu, como dizia no inicio do texto, sou extremamente ligada às pessoas e às trocas maravilhosas que podemos ter com as mesmas.

Alguns momentos a sós nos fazem bem, mas não sempre, apenas alguns (poucos, de preferência). Não sou pessoa de estar só, pois é o movimento e as conversas que me fazem mais feliz, ou menos. O convívio com outros me estimula o viver!

A reportagem trouxe à tona também a questão do casamento como uma forma de abrandar a solidão, de nos sentirmos bem. O casamento como uma forma de AMIZADE, e penso que indiscutivelmente é. Ou você partilharia sua vida com alguém que não fosse também alguém que você considerasse um grande amigo?! Eu não! (risos).

Segundo discussão sobre o assunto, o casamento difere-se de uma outra grande amizade apenas por alguns detalhes... No casamento temos uma forte amizade que nos uni, que nos faz conviver em harmonia (é para ser assim); no entanto, ao contrário da amizade, não somos necessariamente confidentes de nossos pares.

Penso que isso se deve a inúmeras questões... só para exemplificar meus pensamentos - pense um falando para o outro que no trabalho agora entrou um gato/gata nova na equipe, ou você está em dúvida de seus próprios sentimentos em relação a ele/ela. Isso deveria ser falado sim, mas não é facil. Não penso que isso não possa acontecer, vai depender muito do tipo de relação que cada casal estabeleceu... mas é claro que, de alguma forma isso sempre acabaria complicando um pouquinho, pois entrariam aí as inseguranças/desconfianças reais ou imaginárias que poderiam vir à tona, assim como muitas outras coisas.

Um outro ponto destacado é que na amizade, embora dividindo muitas coisas, não dividimos nossos travesseiros (Hum... ponto importante a ser pensado...risos). Ou seja, não confidenciamos aos nossos companheiros porque dividimos nossos travesseiros... ou seja, não compartilhar o travesseiro com nossos amigos, nos dá o aval para falarmos de tudo... As múltiplas questões que envolvem um casal deixam de existir.

Então, se associarmos uma coisa com a outra, poderíamos pensar então que uma relação plena é aquela em que partilhamos nossas vidas por inteiro, com confissões e tudo mais...e ainda dividimos nossos travesseiros?! É então o caso de transformar o amigo especial também em marido? ou o marido também em amigo especial?! (risos). Isso está ficando muito complexo, mas que a gente começa a tentar uma forma de unir isso tudo num só, ah! isso começa!!!

Seja como for, uma grande amizade é sempre muito importante, até mesmo aqueles que se reservam o direito de viver mais isolados, mais solitários, uma vez ou outra abrem as portas para seus amigos, ou para aquele amigo especial. Somos potencialmente seres sociais e esta condição nos propicia esse estado de desejar a companhia de outros a nossa volta. Se estes forem merecedores de serem chamados de AMIGOS...tanto melhor pra todos!!!

Penso que a amizade é algo sublime, que dispensa grandes explicações. Sabemos o quanto um amigo pode fazer por nós, mais do que ninguém, o AMIGO está com a gente, na alegria e na tristeza... Rezemos para que possamos com ele dividir sempre mais e mais ALEGRIAS.

quinta-feira, setembro 18, 2008

É O AMOR... (by Arnaldo Jabor)


Sempre acho que namoro, casamento, romance, tem começo, meio e fim.
Como tudo na vida. Detesto quando escuto aquela conversa:
-Ah,terminei o namoro...
-Nossa, estavam juntos há tanto tempo.....
-Cinco anos...que pena...acabou....
-é...não deu certo...'
Claro que deu! Deu certo durante cinco anos, só que acabou.
E o bom da vida, é que você pode ter vários amores.
Não acredito em pessoas que se complementam. Acredito em pessoas que se somam.
Às vezes você não consegue nem dar cem por cento de você para você mesmo, como cobrar cem por cento do outro?
E não temos essa coisa completa.
Às vezes ela é fiel, mas é devagar na cama.
Às vezes ele é carinhoso, mas não é fiel.
Às vezes ele é atencioso, mas não é trabalhador.
Às vezes ela é muito bonita, mas não é sensível.
Tudo junto, não vamos encontrar.
Perceba qual o aspecto mais importante para você e invista nele.
Pele é um bicho traiçoeiro.
Quando você tem pele com alguém, pode ser o papai com mamãe mais básico que é uma delícia.
E às vezes você tem aquele sexo acrobata, mas que não te impressiona...
Acho que o beijo é importante...e se o beijo bate...se joga...se não bate...mais um Martini, por favor...e vá dar uma volta.
Se ele ou ela não te quer mais, não force a barra.
O outro tem o direito de não te querer.
Não brigue, não ligue, não dê pití.
Se a pessoa tá com dúvidas, problema dela, cabe a você esperar.... ou não.
Existe gente que precisa da ausência para querer a presença.
O ser humano não é absoluto. Ele titubeia, tem dúvidas e medos, mas se a pessoa REALMENTE gostar, ela volta.
Nada de drama.
Que graça tem alguém do seu lado sob pressão?
O legal é alguém que está com você, só por você.
E vice versa. Não fique com alguém por pena.
Ou por medo da solidão.
Nascemos sós.
Morremos sós.
Nosso pensamento é nosso, não é compartilhado.
E quando você acorda, a primeira impressão é sempre sua, seu olhar, seu pensamento.
Tem gente que pula de um romance para o outro.
Que medo é este de se ver só, na sua própria companhia? Gostar dói.
Muitas vezes você vai sentir raiva, ciúmes, ódio, frustração..... Faz parte.
Você convive com outro ser, um outro mundo, um outro universo.
E nem sempre as coisas são como você gostaria que fosse....
A pior coisa é gente que tem medo de se envolver.
Se alguém vier com este papo, corra, afinal você não é terapeuta.
Se não quer se envolver, namore uma planta. É mais previsível.
Na vida e no amor, não temos garantias.
Nem toda pessoa que te convida para sair é para casar.
Nem todo beijo é para romancear.
E nem todo sexo bom é para descartar... Ou se apaixonar... Ou se culpar...
Enfim...quem disse que ser adulto é fácil ?????

segunda-feira, setembro 15, 2008

UM BOM DIA PARA COMEÇAR (by Rê Michelotti)



Hoje é o dia! Hoje é segunda-feira!
Não é sempre na segunda que vamos começar a dieta?
Ou que vamos começar a caminhar, nos exercitar?
Não é hoje que prometemos arrumar as gavetas?
Terminar de escrever aquele artigo que esta pela metade, mas que precisamos entregar amanhã?
Que vamos por as contas em dia?
Os sapatos no lugar?
Que trocaremos a água do aquário?
Quantos planos...mas porque será é tão dificil chegar ao final da lista?
Como diria Leoni: " Mais perguntas que respostas"!
Vamos seguir o conselho de Shinyashiki, (ao menos tentar...) de que é preciso deixar a acomodação de lado, o medo...quem sabe se começarmos por mexer em pequenas coisas do nosso dia-a-dia... e com isso possamos dar início a grandes transformações... com menos resitência e mais persistência para essas mudanças!
Vamos tentar?
Parece pouco, mas pra quem está na inercia total, é um ato de mover-se em direção a alguma mudança, mesmo que esta seja sutil...uma sutil mudança!
Vamos lá!!!


NÃO ADIE SUAS INICIATIVAS (by Roberto Shinyashiki)

Foto disponível em: http://www.imagemnativa.com.br


A vida exige de nós uma atitude proativa. Somos agricultores que recebem apenas as sementes do amanhã, precisamos aprender a plantá-las, cultivá-las, colhê-las.Por Roberto Shinyashiki

Muitas vezes a acomodação com a vida que temos significa que nos acostumamos com pouco. É a adaptação aos pequenos sofrimentos diários. É fechar os olhos para as mudanças possíveis com preguiça de correr riscos. É ficar na confortável e segura rotina que criamos em vez de partir em busca de algo mais.


Quem foi contaminado pelo vírus da acomodação sempre deixa para amanhã o que poderia fazer hoje. São pessoas que evitam agir porque não querem lidar com as conseqüências de seus atos. São pessoas que evitam decidir porque não querem perder o conforto nem a segurança que têm – mesmo que esse conforto e essa segurança sejam bastante limitados. Elas se recusam a encarar qualquer tipo de risco, embora tenham talento de sobra para alcançar seus objetivos e serem felizes. Para evitarem o trabalho que terão ao lidar com o sofrimento desconhecido, elas se adaptam ao sofrimento conhecido.


Mesmo que não estejam passando por circunstâncias favoráveis e se sintam mal, preferem que as coisas continuem como estão a alterar sua rotina. Assim, qualquer pequena transformação é evitada. Cria-se uma barreira intransponível às mudanças. Uma pessoa acomodada evita conversar com o companheiro sobre suas frustrações no relacionamento com medo de provocar uma crise afetiva. Uma pessoa acomodada prefere afastar-se de um amigo a criar coragem para conversar sobre algum aspecto que a incomoda.


Existem também as pessoas que se acomodam afetivamente. Elas mantêm o casamento, mesmo que o amor já tenha acabado, apenas porque a separação e a busca de uma nova companhia snão atitudes que demandam grande esforço. Vivem pensando: – Para que procurar encrenca? São míopes: diante de uma situação nova, só enxergam os problemas que poderão surgir e o trabalho que terão. Nunca se dão conta das janelas que se abrem quando deparamos com alguma coisa nova. São pessoas que pensam da seguinte forma:

– Por que me candidatar a um cargo público se isso só traz dor de cabeça?

– Por que tentar me aproximar da mulher que amo se ela não me dá bola?

– Por que estudar mais para conquistar um cargo melhor se isso não adianta nada?


Elas não percebem quanto a coragem de enfrentar esses desafios pode ser importante para sua realização. Estão distraídas, olhando a vida passar sem se dar conta do que está acontecendo ao redor. As coisas ocorrem bem debaixo de seus olhos, e elas desperdiçam seguidamente as oportunidades porque não têm coragem de ir para o tudo ou nada.


Essas pessoas precisam aprender a arriscar apesar da possibilidade de errar. Aprender a enfrentar um desafio mesmo que pareça duro demais. Aprender a reconquistar o amor do filho ainda que para isso precisem derramar muitas lágrimas. Aprender a se impor, embora sintam as mãos geladas devido à tensão e à insegurança. Não dá para permanecer em nosso casulo: uma lagarta precisa virar borboleta. Não acredite que, se ficar em seu casulo, você estará plenamente seguro. Ninguém está 100% seguro na vida. Ninguém está livre de sentir dor.


Ninguém pode garantir que uma mudança de emprego seja bem-sucedida. Mas, se você não se arriscar nem se expuser, jamais saberá o que poderia ter acontecido. Você poderia ter sido feliz no amor, mas não foi. Poderia ter construído uma carreira bem-sucedida, mas não construiu. Poderia ter feito amigos fantásticos, mas não fez. Poderia ter voado por jardins floridos e perfumados, mas não voou. Arriscar é, portanto, preciso. Acordar para o mundo é preciso. Encante-se com as portas que se abrem à frente a cada novidade que surge em sua vida. Não permita que a porta se feche antes que você tenha visto o que havia do outro lado.


Não fique sentado esperando a morte chegar! As pessoas que ficam assim começam, depois de alguns anos, a sentir um enorme vazio no peito. Só então saem desse estado permanente de acomodação, acordam para o mundo e constatam, decepcionadas, que não criaram nada, não arriscaram nada, não aproveitaram nada. O problema é que isso costuma acontecer tarde demais...

Não deixe a acomodação tomar conta de sua vida para não provocar, no futuro, o seguinte comentário que alguém talvez faça sobre você: “Coitado, morreu aos 18 anos, mas só foi enterrado aos 60!” Por isso, dê a si mesmo a oportunidade de aproveitar a vida e nunca a despreze! Lembre-se: quem espera desespera. Se você perceber que está esperando a morte chegar, é hora de sair para o tudo ou nada e mostrar que seu coração ainda pulsa!

sábado, setembro 13, 2008

GUERRAS E BATALHAS (by Rê Michelotti)

Google Image

As vezes a vida pode ser vista como uma grande GUERRA.... pois a cada dia, uma nova BATALHA se apresenta a nós. Umas difíceis, outras nem tanto, mas sempre algo novo a nos desafiar.
A BATALHA de amanhã já esta marcada para as 8h, e terei mais um obstáculo a transpor. Estando suficientemente preparada pra isso ou não, agora não tem volta. Será amanhã...Então, seja o que Deus quiser!!!

MAIS PERGUNTAS QUE RESPOSTAS (by Leoni)


A noite entreabre a porta

Pro sol que já vai entrar

E eu tenho mais perguntas que respostas

A vida me surpreende

E o dia vem me lembrar

Que todo dia é tudo diferente

Do sudoeste vem chuva

E um sentimento de paz

De noite a gente se escuta muito mais

O céu invade a varanda

E eu deixo a alma no escuro

E ainda me espanto

Com o quanto eu deixo de notar

O sol escala as encostas

Enquanto eu tomo o café

E eu tenho mais perguntas que respostas

Tem tanta gente no mundo

Vivendo vidas seguras

Será que só eu me sinto tão confuso

Eu encho a alma de sustos

De vaga-lumes e estrelas

E fico feliz por nada ou quase tudo

Me sinto meio antiquado

Pensando tanto em família

Vivendo cercado de poucos bons amigos

Eu acredito em bondade,

Amor e honestidade

E o que me importaS

ão mais perguntas que respostas

A noite encosta a porta

O sol desperta a cidade

E eu planto mais perguntas que respostas

INSTANTES INSANOS... (by Rê Michelotti)

Foto by Ty Vieira

Intantes Insanos, ou insanos instantes? Tanto faz...pouco importa, mas que os dias tem sido meio de devaneios...ah, isso tem sido sim.

No transcorrer de nossas vidas, sempre temos momentos de desequilibrio. São normais, até mesmo esperamos por isso as vezes. Assim damos uma sacodida na poeira e renovamos de alguma forma. Renovamos nossos propósitos de vida, nossos sonhos ilusões e razões de ser. Mas que este desequílibrio seja breve, apenas para que possamos reciclar nossas emoções, sentimentos, ou a gente pira.

Estou numa fase dificil, onde não consigo me encontrar. Pior, uma fase assim nunca havia sido tão longa pra mim. Estou pirando aos poucos...o desequilibrio esta fazendo parte de minha vida, e desta forma, sendo algo normal.
Existe algo realmente NORMAL! Claro que não....o absoluto não existe, numa existiu! No máximo nesta vida, tudo é QUESTIONÁVEL!! Isso, e nada mais!

Certezas... Temos? As vezes... Absoluta certeza? Nunca! Ao menso nunca antes de experimentarmos o que nos causa essa INCERTEZA!
Como disse: devaneios...muitos devaneios...questionamentos e nenhuma resposta.

Alguem sabe onde posso tentar alguma coisa mais concreta do que dentro de mim? Porque aqui dentro, neste momento não vejo muita coisa. Nada que me ajude a sair desse estado de insensatez ou pior, dessa apatia que consome meus dias e noites.

Dormir tem sido meu melhor remédio...e também meu pior veneno.
Bem, mas agora já é muito tarde, e estou perdoada se novamente me deixo levar pelo desejo de dormir... e então me preparo mais uma vez, para viver a delicia do sono e da ausência desse mundo - minha fuga consciente de tudo. Desse mundo que as vezes só me faz confundir... não saber...enlouquecer, sem ao menos conseguir tentar algo pra isso não acontecer!!!