sexta-feira, novembro 28, 2008

CADA UM NA SUA (by Rê Michelotti)


"Se você não contar a verdade sobre si mesmo, não pode contar a verdade sobre as outras pessoas." (Virginia Woolf)

Este pensamento serve apenas para refletirmos sobre algo tão recorrente: o Julgamento.

A todo o momento as pessoas julgam umas as outras, e não se dão conta do quanto esses julgamentos podem ser levianos e não necessariamente corresponder à verdade vivenciada pelo outro. É tão fácil apontar o dedo na cara de alguém, dizendo o quanto esta pessoa esta certa, errada, o quanto acertou ou deixou de acertar.

A gente pode pensar muita coisa sobre uma determinada pessoa, nem por isso temos o direito de jogar nossas impressões e julgamentos sobre ela. Se nós mesmos não nos mostramos por inteiro, temos nossas falhas, defeitos, fraquezas e até mesmo nossos segredos... Isso significa que não contamos toda verdade aos outros sobre nós mesmos. E sinceramente, não precisamos oferecer nossa verdade a todos, pois poucos são realmente merecedores dela. Mas, se não contamos a nossa verdade a todos, que propriedade temos nós para falar sobre a verdade dos outros?

Precisamos ter certo "desconfiometro" e nos afastar de pessoas assim. Infelizmente percebe-se que estas, que se dizem desprovidas de preconceito, são as primeiras a levantar um julgamento ou apontar uma falha. São as primeiras a estabelecer os rótulos. Não reverencio, tão pouco acredito em rótulos, pois pessoas não devem ser comparadas a coisas. Pessoas são únicas, merecem respeito e não rótulos. Deixemos os rótulos as “coisas” necessariamente e não aos indivíduos que tem todo o direito de fazer suas próprias escolhas e caminhos.

Durante essas reflexões, lembrei de uma pessoa que sempre diz: “Não gosto de rótulos”. No entanto, basta olhar para uma pessoa, que no mesmo instante acredita ter liberdade e direito de dizer toda a verdade sobre esta, mesmo que ela apenas tenha visto uma simples foto... Sem movimento, sem fala e sem emoção. Sem que conheça esta pessoa de fato. Imagina se ela gostasse de rótulos, como seria?!

Precisamos nos conscientizar, nos policiar... Ninguém é assim tão perfeito a ponto de se achar acima de toda a verdade plena e julgar quem quer que seja. A hipocrisia esconde tanta coisa. Não sejamos hipócritas... Cada um na sua, e talvez, porque não? Sem nada em comum. Seja como você deseja ser, deixe que outros sejam o que bem desejarem. Viva sua vida! Pois como já disse Jacinto Benavente: “Às vezes procura-se parecer melhor do que se é. Outras vezes, procura-se parecer pior. Hipocrisia por hipocrisia, prefiro à segunda.

Se estivermos bem com nós mesmos, a opinião alheia não pode ter efeito sobre nós... Não precisamos parecer bons aos olhos dos outros, precisamos ser suficientemente bons de acordo com nossos próprios critérios e concepções. A propósito, existe o certo e o errado? O bom e o ruim?

Penso que na vida, tudo é no mínimo questionável! O que é certo pra você, pode não ser para outro... Então, vale à pena discutir? Precisamos apenas respeitar a individualidade e deixar viver cada um suas próprias experiências. Como disse antes, cada um na sua, e se for para ser sem nada em comum, que assim seja, desde que sejamos nós mesmos!!!

2 comentários:

  1. A melhor forma de sermos nós mesmos, é sermos "cada um na sua", pois só quem nos conhece de verdade, quem tem toda a nossa verdade, sabe o porque e como agimos, assim como a beleza esta nos olhos de quem vê, o certo e o errado, o bom e o ruim, esta única e exclusivamente em quem faz, vive e deixa viver! Beijos!

    ResponderExcluir
  2. RÊ... verifique seu Prêmio Dardos no meu blog...

    Beijos... Marcos

    ResponderExcluir

Sinta-se a vontade para deixar seu comentário, sua participação é sempre muito bem vinda ;)