sexta-feira, dezembro 11, 2009

STRIP-TEASE (by Martha Medeiros)

Imgem Google

Chegou no apartamento dele por volta das seis da tarde e sentia um nervosismo fora do comum. Antes de entrar, pensou mais uma vez no que estava por fazer. Seria sua primeira vez. Já havia roído as unhas de ambas as mãos. Não podia mais voltar atrás. Tocou a campainha e ele, ansioso do outro lado da porta, não levou mais do que dois segundos para atender.

Ele perguntou se ela queria beber alguma coisa, ela não quis. Ele perguntou se ela queria sentar, ela recusou. Ele perguntou o que poderia fazer por ela. A resposta: sem preliminares. Quero que você me escute, simplesmente.
Então ela começou a se despir como nunca havia feito antes.

Primeiro tirou a máscara: "Eu tenho feito de conta que você não me interessa muito, mas não é verdade. Você é a pessoa mais especial que já conheci. Não por ser bonito ou por pensar como eu sobre tantas coisas, mas por algo maior e mais profundo do que aparência e afinidade. Ser correspondida é o que menos me importa no momento: preciso dizer o que sinto".

Então ela desfez-se da arrogância: "Nem sei com que pernas cheguei até sua casa, achei que não teria coragem. Mas agora que estou aqui, preciso que você saiba que cada música que toca é com você que ouço, cada palavra que leio é com você que reparto, cada deslumbramento que tenho é com você que sinto. Você está entranhado no que sou, virou parte da minha história."

Era o pudor sendo desabotoado: "Eu beijo espelhos, abraço almofadas, faço carinho em mim mesma tendo você no pensamento, e mesmo quando as coisas que faço são menos importantes, como ler uma revista ou lavar uma meia, é em sua companhia que estou".

Retirava o medo: "Eu não sou melhor ou pior do que ninguém, sou apenas alguém que está aprendendo a lidar com o amor, sinto que ele existe, sinto que é forte e sinto que é aquilo que todos procuram. Encontrei".

Por fim, a última peça caía, deixando-a nua
"Eu gostaria de viver com você, mas não foi por isso que vim. A intenção é unicamente deixá-lo saber que é amado e deixá-lo pensar a respeito, que amor não é coisa que se retribua de imediato, apenas para ser gentil. Se um dia eu for amada do mesmo modo por você, me avise que eu volto, e a gente recomeça de onde parou, paramos aqui".

E saiu do apartamento sentindo-se mais mulher do que nunca.

quinta-feira, dezembro 03, 2009

BALANÇO (by Rê Michelotti)

Imagem: Google Image

Não lembro exatamente quando comecei, mas creio que quando tinha uns dez ou doze anos passei a fazer todo final de ano um balanço dos acontecimentos de minha vida. Analisava o que tinha dado certo e também o que não tinha; Observava o que havia concluído; o que tinha deixado pela metade, e o que sequer havia iniciado. Mais que isso, antes do próximo ano chegar com um novo dígito final, planos, desejos e sonhos ainda por conquistar eram estabelecidos como meta.

No início os desejos se resumiam a: “Eu prometo que no próximo ano serei aprovada direto. Não vou pegar recuperação em matemática.” Todo ano o mesmo drama se repetia, notas ótimas em português, ciências, história, mas a matemática lá, insistindo em me enlouquecer. Como diz a música do Papas Da Língua: “... números, números, números... O que é, o que são, o que dizem sobre você?...”

Tudo bem, cresci e hoje já sei que eles dizem varias coisas sobre nós: o quanto nossa conta do banco esta negativa, quantos quilos ainda falta eliminar, quantas voltas eu preciso dar na pista para ter andado 4 km. Os números revelam estatísticas, desvendam mitos, criam novas teorias.
Já no auge da adolescência, a afobação de viver uma grande paixão, de encontrar
o príncipe encantado, o primeiro namorado, virou o grande objetivo anual por alguns anos seguidos. Nessa fase, as meninas ainda acreditam na existência de príncipes encantados... Homens perfeitos que as vão amar do jeitinho exato que imaginam, mas que de fato, provavelmente só deve existir na cabecinha fantasiosa de uma adolescente com o restinho de inocência que lhe resta.

Com o passar do tempo, isto que tinha uma motivação inicial bem típica adolescente cresceu e amadureceu comigo. Tonou-se um hábito interessante, pois ao mesmo tempo em que me dava a oportunidade de me organizar e planejar coisas que eu considerava importantes, podia perceber em que coisas e situações eu ainda pecava, seja por falta, ou até mesmo por excesso. Percebi nisso um jeito de me “auto-corrigir”, tentar melhorar... E assim, venho trazendo o balanço comigo até hoje.

Alguns anos a gente capricha mais nos pedidos, e corre mais efetivamente atrás deles, em especial quando nosso balanço se mostra negativo em aspectos que eram para terem sido primordiais, mas que por alguma distração ou falta os deixamos de lado e acabamos por não nos dedicamos tanto para fazer acontecer!
Em 2009 a lista foi breve, estava bem ocupada com tantas coisas que estavam acontecendo que fui mais objetiva em meus desejos. Aqui posso partilhar um pedacinho da lista que é publicável e que provavelmente continuará no elenco de aspirações para 2010 – Sim, me reservo o direito de não a ser assim um livro tão aberto! Um pedacinho pode. Tudo não!!! (risos)

“Se eu conseguir chegar no horário nos compromissos de 2009, isso já vai ser uma grande conquista!”

Confesso que ainda me atrasei algumas vezes e sei que ainda não estou curada desse mal, mas percebi que ao observar melhor isso, já pude melhorar em muito essa questão, e não pretendo esquecer. Atrasos são sempre desagradáveis e se esperar não me agrada, não vou eu fazer o mesmo com outros.

Segue ainda para 2010 aquele que de um jeito ou de outro, quase toda mulher inclui em todos os seus planejamentos... Sejam semanais, mensais ou anuais, mesmo que seja por um mínimo detalhe:

“Gostaria de eliminar “X” kg esse ano, ou na pior das hipóteses, não encontrar mais nenhum. (sem detalhes, “X” é um ótimo jeito de manter o número em segredo. Risos).

Essa parte de minha vida não daria um capítulo, mas sim uma novela inteira... Mas claro, do tipo “não vale a pena ver de novo”. Mas vamos lá... Desistir, jamais!

Esses são apenas alguns exemplos de coisas que se costuma elencar para os objetivos/desejos de ano novo... Poderia ficar escrevendo mil outras coisas como o desejo de um novo desafio profissional, um lugar especial na vida de alguém, uma viagem sonhada... Enfim, muitas coisas se pode planejar e desejar para um novo ano. Mas a vida com sua dinâmica nos obriga estar em constante construção e reconstrução desses objetivos, por todos os dias que se seguem no novo ano. Afinal, tudo muda o tempo todo. Ainda bem!

Mas a melhor parte de todo esse balanço é poder identificar o que realmente valeu a pena!!! Poder perceber o quanto nossas escolhas nos fizeram mais felizes; ou mesmo quais não foram assim tão acertadas. Termos quem sabe a chance de por um remendo novo no que for possível.

Diria que no saldo não só deste último ano, mas dos últimos dois em especial, percebo que tenho conseguido valorizar ainda mais o que realmente é fonte de energia, alegria e vida pra mim: As pessoas - Meus amigos. Estes entendidos como todos aqueles que fazem minha vida ser assim como ela é. Aqueles que de alguma forma participam como personagens ativos do ato de escrever a minha história.

Eternamente indispensáveis são aqueles que comigo partilham suas vidas de forma sincera, e me fazem também atuante em suas histórias, fazendo com que minha própria seja mais forte e intensa.

Sei que podemos ter bons momentos a sós, e que estes são importantes ou até mesmo necessários. Para refletirmos, compreendermos ou simplesmente descansarmos.

No entanto, não me recordo de um momento que tenha sido realmente marcante ou emocionante pela simples alegria vivida em que não nos encontrássemos na companhia de pessoas tão especiais quanto o próprio momento vivido. Momentos lembrados com saudade e carinho!

São as pessoas, com o que cada uma delas nos oferece a cada instante que fazem o momento ser especial... Inesquecível. E é a soma desses bons momentos vividos que fazem nossa história ser ou não mais interesse e alegre.

As coisas e situações vividas não são maravilhosas por si só. Elas assim o são, pelo conjunto que as compõem: lugar, luz, beleza, frio, calor, mar, cachoeira, neve, velas, vinhos, comidas, doces, cor, cheiro... E o indispensável: AS PESSOAS! Aquelas que por seu próprio desejo escolhem permanecer próximas a nós, vivendo e partilhando o que temos de melhor!

Indispensáveis são os amigos que se aproximam pelo que sou, e assim me aceitam sem tirar nem pôr. São aqueles que comigo somam outros amigos, diminuem dores ou tristezas . Amigos que multiplicam alegrias e dividem histórias parar rir ou chorar... chorar de tanto rir!

Indispensáveis são aqueles que mesmo quando mentir nos parece preciso, ainda assim, sabemos que vão nos permitir dizer a verdade e entender nossos motivos!

Pelos anos passados, pelo presente ou futuro, nada me será mais ou tão importante quanto sentir a presença daqueles que me fazem sentir mais do que uma simples sobrevivente neste pequeno- grande mundo... Indispensaveis são os que me fazem verdadeiramente VIVA e FELIZ!