terça-feira, janeiro 26, 2010

DE REPENTE (by Rê Michelotti)

Imagem Disponível em: Sussuroserespiros.files.wordpress.com/2009/03/pontes.jpg

De repente percebe-se que o barrulho que por vezes nos irritava, deu hoje lugar ao silêncio, que ao contrário do barrulho, não irrita. No entanto, também não causa nada. Nada além de uma sensação de solitude... boa as vezes... Eu disse, as vezes!

De repente percebe-se que algumas pessoas em sua vida não lhe fazem apenas falta, elas são essenciais ao sentido de sua própria vida. Partilho do pensamento que não devemos depositar nossa espectativa de obtenção de felicidade na mãos de outra ou outras pessoas... Mas convenhamos, existem pessoas que pelo simples fato de existirem, já nos deixam um gosto de felicidade nos lábios, mais que isso, no coração.

De repente aceita-se o fato de que aquilo que tanto desejamos e ainda não aconteceu, é porque ainda não chegou o melhor momento para que aconteça. Enquanto este tempo não chega, é preciso que aguardemos a hora exata que tem que ser... Enquanto o tempo não chega, continua-se acreditando, sonhando este mesmo sonho mil vezes. Mesmo que alguns tolos riam desses sonhos, ainda assim, não vamos abandoná-los. Sonhar faz com que estes sonhos se concretizem não apenas mentalmente, mas também em nossos atos cotidianos... Creio que manter a energia desse sonho vivo dentro de nós é a chave para a concretização do mesmo. Nisso eu levo fé.

De repente percebemos que todas as estruras que criamos com o intuito de ser uma ponte que une, torna-se apenas uma construção que interrompe o fluxo, que separa. Quando desejamos construir alguma coisa, seja ela o que for, é preciso seguir um cronograma, um projeto... Mais que fazê-lo, é preciso acompanhá-lo. Caso contrário, alguma estrutura pode ser deixada de lado... E no final, pode ser justamente dela que você mais precisaria para concluir tudo com sucesso.

De repente a gente se dá conta que não tem mais vinte anos e quem pensa que que talvez eu vá dizer que isso é ruim, engana-se. Pois não ter mais vinte anos implica sim em perder talvez um pouco do brilho da pele, da rigidez de algum músculo aqui, outro alí... Mas enfim, eu não vim a esse mundo para ser apenas um corpo. Quando eu partir dessa para quem sabe, talvez...uma melhor... Até onde sei, esse corpo físico não me servirá de nada. E para quem fica, mais me importa que lembrem da pessoa que fui baseada em minhas atitudes, filosofias, alegrias, carinho, risos ou tantas outras coisas boas que eu as tenha proporcionado, do que lembrarem de mim por eu ter tido os olhos mais lindos que a terra comeu! (Quanto as coisas não tão boas que por ventura eu possa ter também oferecido a alguns, espero sinceramente que elas esqueçam, antes mesmo de eu fechar os olhos... Eu nunca desejei o mal a ninguém... Ok, a quase ninguém).

De repente, não mais que de repente a gente não tem mais vinte anos, tem trinta...Opa, tem mais que trinta. O céu e o inferno em apenas dois digitos!

O céu quando se passa ter um pouco mais de segurança pra fazer determinadas coisas que em outras faixas jamais ousariamos fazer. Essa é uma parte do amadurecimento que me agrada muito. Fico aqui pensando em uma frase que por vezes ouvi: Quanto mais velho, mais sem vergonha! Esse sem vergonha, que fique claro, no sentido de não se importar de dizer o que talvez não fosse a coisa certa, mas o que se queria de verdade dizer. Não ter mais a intenção ou pretenção de agradar a todos. Aquela clássica música... "viver e não ter vegonha de ser feliz". Pode ter coisa melhor?! (Risos)

Quanto ao inferno... Quando você chegar lá, descobrirá a seu modo. Hoje não é bom dia para falar do lado ruim das coisas. Aliás, embora saiba que o mundo não é um conto de fadas, prefiro sempre me apegar ao lado bom das coisas da vida e minimizar ao máximo o ruim. Para que sofrer, se ser feliz pode ser a opção?

De repente algo que consideravamos pequeno toma proporções que nem nós mesmos acreditamos. Percebemos que muitas vezes não soubemos mensurar o valor e o tamanho de tudo e de todos que nos cercam. Nossa condição de humanos nos faz assim, muito suceptível a mudanças tempestivas nesta longa jornada que chamamos vida. Há de que se pensar, sentir e analisar muito antes, para aproveitar o durante e não se arrepender depois... Seja pelo dito, como pelo não dito.

De repente a gente descobre, que muito do que encontramos hoje, não era ou não estava assim ontem quando deitamos para dormir. Amanhã outras tantas coisas vão mudar... E o que acredito hoje, pode estar igual, mas dependendo das tempestades da noite, eu possa não acreditar mais.

De repente passamos a entender que mesmo que tenhamos vividos muitos e muitos anos, cada novo dia é uma nova oportunidade para aprendermos, crescermos. Mais que isso, que se não é possível mudar o passado... a gente pode e deve ao menos agradecer por mais essa oportunidade do dia de hoje e tentar de verdade mudar daqui pra frente... E assim, quem sabe, termos um futuro mais parecido com aquele que consideramos bom para nós e aqueles que queremos muito bem.

Sempre há algo que nunca ouvimos falar...Sempre há algo que nunca falamos... nunca lemos... nunca escrevemos... nunca falemos... Mas com certeza, não vai haver um dia que nunca aprendemos ou ensinamos.

De repente a gente descobre que é preciso experimentar....se expor... fazer...realizar... e assim poder chegar mais perto de algo bom pra todos nós: O compartilhar!!!

Mais que de repente a gente percebe que tudo pode acontecer!!!

Hoje eu precisa apenas divagar...

Um comentário:

  1. Belíssimo texto!! A vida é um eterno de repente e não há como fugir, mas é exatamente aí que está todo seu mistério e beleza...amei!

    ResponderExcluir

Sinta-se a vontade para deixar seu comentário, sua participação é sempre muito bem vinda ;)