quinta-feira, agosto 16, 2012

Grávidas!


Imagem: Arquivo pessoal de Raquel Muller/2012

No último final de semana fui ao cinema assistir ao filme “O que esperar quando você está esperando”. Muito boa comédia sobre grávidas e seus estilos! Em especial se você estiver passando por essa fase, ou próximo de alguém que esteja vivenciando isso. É possível dar boas risadas!

O filme, de forma muito bem humorada, apresenta os diferentes tipos de mulheres e suas diferentes formas de passar pela fase da gestação. Se para uma mesma mulher as gestações ocorrem de formas distintas, imagine para diferentes mulheres. Não tem jeito, cada uma ultrapassa a barreira dos nove meses de um jeito bem particular.

No próprio filme se questiona a questão dessas mulheres grávidas lindas em capas de revistas com um enorme sorriso no rosto. Essas capas querem passar a impressão de que gravidez é somente brilho e glamour. Será que é assim mesmo?

Para algumas talvez sim. Mesmo que não em sua totalidade, muitas mães passam muito bem os nove meses... Mas dificilmente alguma consegue escapar dos enjoos e do mal estar dos primeiros meses.

Bem ou mal, todas irão sentir as mudanças bem bruscas no comportamento, nas emoções e até mesmo as mudanças físicas e fisiológicas.  A cada hora você sente necessidade extrema de ir ao banheiro. Pense isso nas 24h do dia! Há que se ter muita paciência!

O seu olfato passa a ficar mega desenvolvido e todos os cheiros tomam proporções enormes. Um mero chazinho com cheiro suave, parece agora ter o aroma de um desinfetante de banheiro. Se seu marido resolver por um pouquinho a mais de perfume, é capaz de você passar mal por horas.

As dores de cabeça, no primeiro trimestre, também acabam sendo frequentes. O seu estomago parece estar sempre indisposto para digerir o que quer que você tenha comido. Às vezes comer um pedacinho de maçã parece equivaler a comer um boi inteiro, tamanho o desconforto.

E os enjoos então... Melhor nem comentar. Você fica parecendo uma chata de galochas que de tudo enjoa... Até de olhar para alguma coisa é capaz de correr para o banheiro e vomitar. Ou seja, o primeiro trimestre é fogo!

Às vezes, passada essa fase, entra-se numa fase mais tranquila e os desconfortos são menores ou amenizados. Para outras, os sintomas apenas amenizados continuam a incomodar. O segundo trimestre é tempo de certa calmaria. Você continua como mera espectadora da sua barriga crescente... Que dia a dia toma uma dimensão maior.

Eis que chegamos ao terceiro trimestre e os desconfortos voltam com tudo. Agora não é mais só enjoos, tonturas e idas ao banheiro a cada hora... Mas a cada 5 minutos. A pressão é grande e você parece que vai montar acampamento no banheiro.

E o peso da barriga? Cada mínimo esforço para se movimentar parece uma maratona. E isso não tem a ver com grávidas que estejam necessariamente “gordas”. Isso tem a ver com o peso do próprio bebê e sua barriga esticando-se ao máximo. Carregar o bebê e todo o resto dos aparatos que o sustentam lá dentro não é tarefa fácil.

Dormir é uma questão de sobrevivência. Mas como fazer isso quando se está prestes a dar à luz? Cada uma acha um jeitinho de se ajeitar e dormir pelo menos algumas horas por noite. Travesseiro entre as pernas para não forçar a coluna. Travesseiro sob a barriga para não pesar demais.

Mas como sempre se ouve falar: Todo esse desconforto de meses que parecem intermináveis, são motivadores de qualquer forma, pois temos um propósito maravilhoso que é dar a luz, dar a vida... E esses desconfortos são automaticamente apagados da nossa mente assim que vemos a carinha de nosso bebê. A dor e desconforto passam como se fosse mágica.

E mesmo as primeiras noites, ou os primeiros meses, sem dormir se apagam da nossa memória... E mesmo que em algum momento de dor ou desconforto a gente diga “nunca mais”... A memória ruim é apagada e a gente volta a desejar esses momentos maravilhosos de poder gestar um bebê novamente.

A maternidade tem sim seus desconfortos... Aquela capa de revista com barriga linda e sem estrias e o pensamento de que toda e qualquer mãe vai vencer o caminho ganhando somente o peso necessário, muitas vezes não passa de um desejo. Mesmo assim, a gente se esforça para chegar na melhor forma possível e tendo a certeza absoluta de que tudo valeu a pena.

Afinal, gerar uma vida, ter um bebê cheio de saúde e disposição não poderia mesmo ser tarefa simples. A maternidade, a gestação é um momento mágico na vida de uma mulher, na vida de um homem que logo se torna pai. É um momento que fica marcado pra sempre, mas não pelos maus momentos ou desconfortos, mas sim por todo o prazer de ver um ser tão pequenino e perfeito saindo de dentro de nós e pronto para a vida!

Durante a gestação, haverá maus momentos... E se você está do lado de uma grávida hoje, apenas lembre-se de dar sua mão e apoiá-la no que ela precisar. Esses pequenos gestos de carinho dão conforto e fazem tudo ficar tão mais fácil e simples.

Para todas que agora passam por essa fase complicada e ao mesmo tempo linda... Tentem curtir ao máximo cada instante, pois mesmo que esta não seja sua única ou última gestação... Com toda certeza ela será única.

Seja forte, seja firme, mas se precisar de um colo, grite ao papai do bebê, chame sua mãe para companhia, uma amiga para uma conversa... Escolha as melhores companhias para você e seu bebê... Longe ou perto da sua família mantenha contato e esteja perto daqueles que você realmente ama. Logo tudo ficará ainda melhor e você será ainda mais plena e realizadda... Tenha certeza!

Nota:

Um agradecimento especial à minha amiga Raquel Müller por ter cedido uma linda foto de seu momento mágico atual que ilustra este texto!

No próximo texto, aproveitando o tema “Grávidas” e o número considerável de mulheres em “estado de graça” que me rodeiam, trarei relatos pessoais de diferentes mamães e como elas sentem ou sentiram esse momento especial que é a gestação!

Acessem este texto e muitas outras notícias no site do Jornal O Município... Curta mais esse canal:

sexta-feira, agosto 03, 2012

As Pessoas Falam Demais


Imagem: Google
  
Se você não quer casar é porque você tem algum problema ou é homossexual e mais, quem vai cuidar de você no final da vida?

Se você não tem filhos, você com certeza têm problemas emocionais ou físicos, pois não é “normal” uma pessoa não desejar ter um filho!

Se você é mulher, tem filhos e trabalha fora, você é uma mãe desalmada que não cuida. E não é incomum ouvir as pessoas falarem: “Se era pra ter e não cuidar, pra que teve?”.

Se você tem filhos e resolve ficar em casa e se dedicar aos cuidados e educação dos seus filhos, você muitas vezes é taxada de malandra ou preguiçosa porque “só fica em casa cuidando da casa e filhos”. Só?! Desafio a quem pensa assim a trocar de lugar com uma mãe por um dia pra ver se aguenta!

Se você tem um filho, todos acham que você deve dar um irmãozinho ao primeiro. Caso contrário o pobre do primeiro filho vai ser solitário, infeliz e provavelmente terá problemas emocionais na vida adulta.

Se você tem o terceiro filho, meu Deus... Você com certeza têm filhos demais.

Se você é homem se dedica a família em seus finais de semana e não vai para o bar falar abobrinhas e tomar um chope, você é um coitado, um mandando pela mulher. Mas veja bem, se você for, é bem capaz de que um dos seus próprios companheiros de bar lhe julgue dizendo que você como pai de família deveria estar em casa em não num bar.

Se você é fiel, alguns vão te achar bobo ou idiota. Se você assumir que trai descaradamente, vai ser apontado como um mau-caráter ou sem vergonha.

Se você trabalha o suficiente para uma vida confortável, porque acha que é o melhor jeito de preservar sua saúde e ter mais tempo para estar com sua família, provavelmente alguns vão dizer que você não tem ambição ou é um tremendo de um acomodado e preguiçoso. Mas se você viver pra trabalhar, não faltará quem lhe diga que de nada adianta dinheiro e coisas materiais se você não tiver saúde e boa convivência familiar.

Se você não estuda muito, as pessoas dizem que você não vai chegar a lugar nenhum, mas se você decidir estudar muito e por longo tempo, não faltará os que vão falar: “o que adianta estudar tanto pra nada?”.

Se você mora numa casa ou apartamento pequeno, sempre vai ter alguém dizendo que você precisa de algo maior. Mas se você for morar num lugar maior, certamente alguém lhe dirá que você não precisava de algo tão amplo assim.

Se você nunca fez uma viagem ao exterior, com certeza ouvirá que esta experiência é única e você tem de ter o quanto antes. Mas se você já viajou, não será estranho que alguém comente em suas costas que conhecer o mundo lá fora e não conhecer o país onde vive é insensato.

Se você esta acima do peso e não esta fazendo nada para voltar a melhor forma, sempre vai ter alguém dizendo que você não tem força de vontade, que devia estar fazendo algo por si mesmo e por sua saúde. Mas se você estiver num aniversário ou jantar e começar a recusar porcarias porque esta se cuidando, imediatamente você passará a ser denominado como um neurótico.

Se você não cuida da sua aparência, é relaxado ou desleixado. Se você cuida, seja pouco ou muito, será o vaidoso e até mesmo julgado como fútil.

Ou seja, minha gente... As pessoas realmente falam demais. Se formos dar atenção pra tudo que falam, a gente morre doido. Não sejamos um bando de “Maria vai com as outras”.

Não façamos isso ou aquilo por medo do que vão dizer ou falar... Muito menos fazer algo porque é o que tudo mundo faz. Porque já ficou mais do que claro: Sempre vão falar alguma coisa. Sempre vão contrariar o caminho que você escolher. Então, como já disse certa famosa um dia: “Falem bem, falem mal... Mas falem de mim”.
Falem, porque eu não to nem aí!

Vamos fazer uma campanha pela vida... Cada um cuide da sua!