segunda-feira, novembro 05, 2012

[In] Feliz Por Nada


Crédito: Divulgação

Costumamos declarar mais nossa alegria, confessar sempre nossa felicidade. Não alcançarmos a felicidade full time parece pecado, um tipo de derrota pessoal que ninguém quer assumir.

Hoje eu poderia aqui descrever a infelicidade alheia da qual sou testemunha tantas vezes no cotidiano, mas hoje vou falar da minha própria infelicidade.

Eu confesso, vivo hoje uma infelicidade momentânea, mas que me deixou fora do centro e me fez chorar por sentir uma dor profunda que não sei da onde veio. Uma sensação de vazio tomou conta de mim. E que infelicidade contraditória!

Tem um livro da Martha Medeiros que se chama “Feliz por nada”, está aqui pra eu ler, mas o próprio título contraria o meu momento e fico hesitante... Afinal, sinto-me Infeliz por nada!

Numa certa entrevista, a cantora Sandy (sim, aquela da dupla Sandy & Júnior) disse que o mundo tem uma beleza triste. Concordo plenamente. Todos se esforçam para mostrar alegria, se dizem felizes, mas na prática seus olhos nos confessam outra coisa.

Temos medo da infelicidade e não gostamos de dividir com ninguém. Nosso desejo é sempre ultrapassar as barreiras da vida sem incomodar a ninguém com nossos próprios dramas. Ainda que pra isso nos isolemos.

Com o isolamento poupamos algum ou alguns de nossas chateações, mas isso não faz com que possamos sair desses momentos de infelicidade mais facilmente. Pelo contrário, isso faz o tempo parar e a gente sofre até mais.

Isolamos-nos muitas vezes porque não queremos ser julgados, não queremos ser taxados disso ou daquilo. Isolamos-nos porque não percebemos alguém capaz de nos entender, ouvir sem ficar querendo resolver a vida em nosso lugar. Isolamos-nos por que muitas vezes tudo que nos dizem é: “Mas o que mais você quer? Você já tem tudo!”. Muitas vezes TUDO que precisamos é alguém pra nos ouvir sinceramente.

Esses momentos que ficamos de farol baixo, perdemos a motivação e nos sentimos meio sem esperanças são normais e acontecem com muito mais frequência com todos do que pudemos imaginar.

Esses momentos de infelicidade são normais, mas nem por isso precisamos nos agarrar a eles. Pelo contrário, é preciso seguir em frente e os deixar pra traz. Por mais que o momento às vezes pareça tão down, intenso e infindável, ele passa. As vezs demora mais do que gostaríamos, mas passa!

Nem sempre sabemos de onde essa infelicidade vem. Tentamos encontrar uma explicação que justifique a dor, procuramos razões pra o desencadear dessas emoções tão tóxicas e no final, nada. Acabamos ainda sentindo-nos até culpados, pois parece mesmo que estamos tristes por nada!

Essa infelicidade momentânea causa uma dor no estômago, um aperto no peito, um nó na garganta, os olhos se enchem de lágrimas e a gente... Ah, gente tenta segurar. Tudo vai tomando outras proporções e vai ficando muito maior do que gostaríamos.

Pra cada dor um tratamento, pra cada pessoa um jeito. Mas pra todas elas uma saída comum: deixe rolar! Deixe que as lágrimas literalmente rolem. O estomago para de se contrair, o aperto do peito alivia e o nó na garganta se desfaz... Ainda que a dor não suma instantaneamente, ela ameniza muito. Permita-se sentir!

Essas infelicidades momentâneas lembram-me das situações de luto. A gente se segura, não quer se entregar, mas pra superar é preciso vivenciar a dor até o fim, até a última gota!

Depois... Bem, depois é retomar o fôlego e seguir em frente, porque o mundo não para até que a gente se sinta bem de novo.

Permita-se ser sempre mais e mais feliz, mas quando a dor bater e você se sentir infeliz por nada, permita-se também. Dê um tempo, pare, se isole, chore se for preciso... E depois volte renovado e mais forte que antes.

Nem tudo se explica ou justifica, ainda assim continua a acontecer em nossas vidas vez ou outra. Todo mundo quer colecionar mais momentos felizes nessa vida, e isso eu já disse tantas vezes, mas não podemos nos livrar definitivamente dos dissabores, dos momentos difíceis ou ruins... Continuamos assim transpondo cada barreira, vivendo um dia de cada vez, sem medo de ser feliz ou mesmo infeliz de vez em quando, se for o caso... A vida é assim, não tem jeito!

2 comentários:

  1. Obrigado pelo texto Rê!

    Acho que precisamos mais gente assim, simplesmente gente! o mundo tá querendo super homens e super mulheres que escondem suas fraquezas e infelicidades.

    Deus nos livre disto!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Daniel...
      É verdade, é muita cobrança para nós simples humanos... Mas como você bem disse: Deus nos livre de escondermos nossas fraquezas/infelicidades. De um jeito ou de outro elas sempre fazem parte de nossa vida, é preciso sentir e seguir adiante!
      Obrigada pela visita. Seus comentários são sempre bem vindos!

      Excluir

Sinta-se a vontade para deixar seu comentário, sua participação é sempre muito bem vinda ;)